Introdução

  História

  Tipos

  Fontes de Ar

  Curso Básico

  Limpeza

  Manutenção

  << Voltar
Curso Básico de Aerografia

Esse texto foi retirado e adaptado do Portal Modelismo On-line e traz um curso básico com 11 lições para que o iniciante tenha um primeiro contato com o aerógrafo.

  • Antes de iniciar as lições, leia atentamente as instruções fornecidas com o aerógrafo.

  • O tamanho da ponteira do aerógrafo deve ser escolhida conforme a viscosidade do fluído (quanto mais espesso, maior deverá ser a abertura da ponteira). O padrão de tinta aplicada é determinado pelo diâmetro da ponteira, pela pressão do ar - ou gás - e também pela distância a que se pinta da superfície. Lembre-se, que quanto mais espesso é o fluido, mais pressão é necessária para o atomizar corretamente.

  • Lição 1: Cuidados com o aerógrafo
    O aerográfo nunca deve ser guardado sujo. Toda vez que terminar o trabalho com determinada tinta e for passar para outra (ou encerrar as atividades do dia), limpe-o cuidadosamente. Você deve usar o mesmo diluente usado pela tinta (thinner, álcool, água).

    Primeiramente, coloque um pouco de solvente no recipiente, agite e esvazie-o; Se possível, passe um papel higiênico para tirar a tinta que restou. Isso tirará o grosso da tinta e fará da limpeza mais rápida. Encha o recipiente com o diluente da tinta até a metade. Aperte o gatilho continuamente e durante a limpeza varie a pressão e a abertura da agulha. Isso evitará que alguns pigmentos deixem de sair e fiquem presos. Coloque o dedo na abertura e aperte o gatilho, isso inverter'a o sentido do fluxo, jogando ar para o recipiente. Isso tamb'em ajuda a remover pigmentos presos.

    Toda vez que precisar usar tinta branca ou verniz incolor, faça uma dupla-lavagem para tirar qualquer impureza. Uma dica é aerografar um pouco de diluente em uma folha de papel branca e deixar secar. Quando estiver seca, você pode ver se ficou algum pigmento ou não.

    Com o tempo, mesmo com esses cuidados, tendem-se a depositar pigmetos pelo tubo de tinta e na agulha. Para resolver isso, será necessário desmontar o aerográfo e fazer uma revisão geral. Veja nas instruções como fazê-lo e tome cuidado para desmontar e montar as peças na ordem correta.

  • Lição 2: Controle do aerógrafo:
    Existem três movimentos principais que deverão ser coordenados. Este será o primeiro objetivo para um principiante. Segure no aerógrafo de modo que a ponta dos dedos se apoie no gatilho e o pressione corretamente para iniciar a saída de ar.

    1. Para aerógrafos de dupla ação: uma ligeira retracção fará sair o fluxo de tinta. Com a prática, irá dominar os movimentos, de modo a que fiquem combinados num só movimento.
    2. Para aerógrafos de ação simples: regular o fluxo de tinta, rodando a ponteira do ajuste de côr.
    3. Movimento da mão da direita para a esquerda, etc., (horizontalmente), e de cima para baixo (verticalmente).

     

  • Lição 3: Operações com o aerógrafo:
    A área do spray produzido pelo aerógrafo será determinada pela distância entre a ponteira e o trabalho. Para uma área média, mantenha uma distância aproximada de 10 a 15 cms da superfície. Desenhe o tom gradualmente, se aplicar demasiada tinta na superfície, comecará a escorrer e a formar bolhas. Para uma pintura de linha fina, aproxime a ponteira do aerógrafo cerca de 3,5 a 3 cms da superfície a pintar. Será apenas necessário libertar uma pequena quantidade de tinta para uma pintura de linha mais fina.

     

  • Lição 4:
    Primeiro, desenhe a lápis numa folha de papel ou de cartão, uma série de quadrados 10x10 cms. Depois, mantenha o aerógrafo a 5 cms de distância da superfície e desenhe pequenos pontos nas intersecções das linhas. Use tinta da china diluída ou uma qualquer outra tinta solúvel em água. Quando conseguir desenhar os pontos com precisão, começe a alargar o tamanho dos pontos, deixando que mais tinta flua pelo aerógrafo, ao mesmo tempo que aumenta a distância entre a ponteira e a superfície. A seguir, pratique fazendo pontos de tamanho médio; seguidamente, faça-os mais largos, até que esta lição se apresente como na ilustração.

  • Lição 5:
    Se o aerógrafo for mantido muito próximo do desenho, com o fluxo de tinta regulado no máximo, formar-se-ão "bolhas". Concentre-se na precisão, não na rapidez, e continue a praticar até conseguir desenhar pontos (dot's) de qualquer tamanho e na posi'c~ao desejados. Este simples passo dar-lhe-á controle da posição e da densidade dos pontos ou formas desejadas, que são importantes para acabamentos.

  • Lição 6:
    Este exercício permitir-lhe-á desenhar linhas direitas, sem que se formem acumulações de tinta, desde o princípio até ao fim de cada linha desenhada. Pratique com o braço relaxado e o pulso em movimento. Trabalhando da esquerda para a direita, começe por ensaiar o movimento do aerógrafo sem libertar tinta. Liberte a tinta no início da linha e só pare no final, mas continuando a mover o aerógrafo até depois ter parado o fluxo de tinta. Aumente o comprimento da linha até que consiga desenhar uma linha uniforme, longa ou curta, com relativa facilidade.

  • Lição 7:
    Linhas paralelas, graduando de finas para mais grossas, são elaboradas libertando mais tinta, ao mesmo tempo que se aumenta a distância da ponteira relativamente à superfície a pintar. Começe com uma linha fina, e alargue-a conforme vai liberando mais tinta e aumentando a distância do aerógrafo em relação ao trabalho. Continue a mover o aerógrafo, mesmo depois de ter cessado o abastecimento de tinta à ponteira, para prevenir acumulações de tinta no final de cada linha. Pratique diariamente, para desenvolver controle sobre o gatilho, até que execute uma resposta automática e imediata sem qualquer esforço.

  • Lições 8 e 9:
    Desenhe quadrados como explicados na lição quatro (4). Desenhe pontos, o mais pequenos possíveis, na intersecção de cada linha. Ligue os pontos, com traços contínuos de igual tonalidade, como mostrado na ilustração. Repita este exercício, até que seja capaz de fazer vários exemplos, sem imperfeições.

     

  • Lição 10:
    Trabalhando com o pulso relaxado, e com o braço em movimento da esquerda para a direita e da direita para a esquerda, um tom sombreado pode ser obtido, passando de uma cor ligeira a uma cor sólida (degradé ou gradient). As margens são cobertas com fita (masking-tape) ou com um stencil. Começe sempre por aplicar a tinta sobre a masking-tape. A tonalidade é mais facilmente controlada, quando aplicada esta técnica.

  • Lição 11:
    Nesta lição, vai pintar uma variedade de tonalidades e efeitos com a utilização de máscaras, stencils e cortes de papel ou cartão. Aproxime-se o mais possível da tonalidade apresentada na ilustração. Permita que a tinta na zona mais escura seque antes de adicionar mais cor, ou corrimentos aparecerão, deixando marcas de água conforme o pigmento vá secando. Aplique sempre tons mais claros que o necessário, porque uma vez removidas as máscaras, as tonalidades apresentar-se-ão mais escuras num fundo claro.

    Texto de Carlos Correia

    Adaptado por


    Eventos | Fórum | Eu Quero! | Mercado de Pulgas | Galeria
    Variedades | Como Construir | Dicas | Ferramentas
    Lojas no Brasil | Administrativo | Livros | Links

    Melhor visualizado em resolução 1366 x 768
Eventos Agendados
Agosto
S T Q Q S S D
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 1819
20 21 2223242526
27 28 29 30 31    

Setembro
S T Q Q S S D
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30