Aviação Sueca

  Cores da FAB

  Matrículas da FAB

  Modelos da FAB

  Aviação da Marinha

  Fraternidade do Fole

  Luta Antissubmarino

  Luftwaffe WWII

  RAF

  Faixas do Dia D

  Armas

  Fokker

  Seversky

  Motherships

  Dirigíveis

 << Voltar
História das Armas Aeronáuticas (Parte IV)

Os franceses desenvolvem o único escoltador equipado com canhão

Certamente o uso mais interessante do canhão foi no SPAD S.XIICa1, o único escoltador assim equipado para combate durante a guerra. A biografia de Guynemer o credita com o fornecimento de idéias para esse escoltador e se refere a ele como o "avião magnífico". O SPAD S.XII tinha um canhão Puteaux de 37 mm abrigado no motor Hispano-Suiza em "V", atirando através do eixo de hélice oco (não através de um virabrequim oco).

O primeiro aparelho do pequeno lote produzido foi entregue a Guynemer em 5 de julho de 1917 e com essa máquina ele abateu suas vítimas de número 49 até 52. Tinha diversos defeitos sérios - com o canhão atirando apenas uma bala por vez, somente podia ser confiado a ases como Guynemer, Nunguesser e Fonch e a fumaça era o castigo do piloto. Nem os ingleses nem os alemães enviaram um escoltador comparável à frente, mas os franceses não fizeram nenhum desenvolvimento adicional.



O motor Hispano-Suiza do SPAD S.XII mostrando a culatra do canhão de 37 mm.


O canhão Puteaux entre os cilindros de um motor Hispano-Suiza.

Os foguetes ar-ar de 1916

Provavelmente a arma mais espetacular usada por qualquer lado tenha sido o foguete Le Prieur, inventado pelo Tenente Y. G. Le Prieur da Marinha Francesa. Os foguetes foram primeiramente usados no verão de 1916 e eram usualmente montados em feixes de 4 de cada lado dos montantes entre asas. Os foguetes foram desenvolvidos para incendiar balões de observação no tempo em que a munição incendiária estava no período de aperfeiçoamento. Os foguetes foram retirados de uso em menos de 1 ano.

Seu uso era problemático para o piloto que tinha que mergulhar sobre o alvo na velocidade máxima e dispará-los em salva de uma distancia máxima de 150 metros, para que os mesmos tivessem efeito. Isso dava pouca margem a erros. Os resultados eram notáveis, como em 25 de junho de 1916, quando 4 dos 15 balões que atuavam na frente do Somme foram destruídos em meia hora.

Aparentemente o Nieuport foi o primeiro escoltador empregado para carregar foguetes e foi com ele que os pilotos ingleses Ball e A. M. Walters usaram os foguetes contra aviões inimigos, no único caso documentado. Ball errou sua salva, mas um dos oito foguetes de Walters abateu um LVG.


Nieuport 10 com foguetes Le Prieur.


Outro tipo de montagem para foguetes usados em um SPAD 7.

A metralhadora de 11 mm

Com a introdução da munição incendiária, a caça aos balões tornou-se mais eficiente. Todavia ainda era difícil incendiar o balão alemão Drachen com munição calibre .303, porque o projétil era pequeno e não deixava escapar muito gás na sua passagem. Durante o ano de 1917, a França desenvolveu uma metralhadora Vickers modificada especialmente para ser usada contra balões inimigos.

Um moderado número de aviões franceses foi equipado com essa arma durante 1918. Não há notícias de que os ingleses a tenham adotado, mas os belgas, que usavam equipamento francês, tinham cerca de meia dúzia de escoltadores Hanriots assim equipados. O caçador de balões belga William Coppens, em uma ocasião incendiou um balão e abateu um escoltador alemão com apenas 6 balas da metralhadora de 11 mm. Os Estados Unidos fabricaram 900 dessas amas durante a últimos 5 meses da guerra, mas é duvidoso que elas tenham entrado em ação nos aparelhos americanos.



Munição de 11 mm para a Vickers modificada em fita clipada.

A evolução da munição

Para completar a história do armamento, alguma referencia deve ser feita ao desenvolvimento da munição, porque a melhor metralhadora seria completamente ineficaz se a munição correta não fosse usada. Infelizmente, é virtualmente impossível traçar os desenvolvimentos franceses e alemães nesse campo, porém o trabalho inglês pode ser fácil e completamente documentado. De vez que esses vários tipos entraram em serviço com ambos os adversários quase ao mesmo tempo, as datas inglesas são suficientes.

A munição original empregada em 1914 tinha ponta encamisada em aço como padrão. Balas blindadas que apareceram depois empregavam os mesmos materiais, mas com alma de aço endurecido para uso contra motores e depois contra blindagens.

Balas traçadoras - o primeiro tipo especial para a aviação a entrar em serviço foi desenvolvido na Inglaterra antes da guerra. O desenho original não teve sucesso devido a alta percentagem de "precoces" e "cegas". Foi usada até que o novo tipo "Sparklet", ou SPK Mark VIIT, fosse introduzida em julho de 1916. Somente em casos raros elas podiam incendiar algo, pois foram projetadas para produzir um rastro luminoso de 500 metros de comprimento, proveniente de uma bolinha incandescente colocada em sua base, auxiliando a pontaria.

As balas incendiárias eram completamente diferentes no uso e na construção. Não produziam rastro luminoso mas deixavam uma trilha de fumaça. Essa munição continha uma pequena quantidade de fósforo na ponta que a força centrífuga arremessava através de um pequeno furo no lado, produzindo uma espiral azul de 350 metros de comprimento. Ela foi patenteada por J. F. Buckingham em janeiro de 1915, que começou a remetê-las para o RNAS em dezembro. Primariamente concebida para ser usada contra zeppelins, chegou à frente em quantidade considerável. O nariz macio para dar maior efeito contra os balões foi introduzido em junho de 1916 e foi usado até o fim da guerra.

A bala explosiva foi desenhada para incendiar o gás dos dirigíveis e era sensível o bastante para explodir ao atingir o tecido do invólucro. Continha uma bolinha de explosivo na ponta que podia facilmente secionar o montante da asa de um avião. Dois tipos foram usados - um aperfeiçoado pelo Comandante F. A. Brook e outro por John Pomeroy. Este último começou seu trabalho antes da guerra mas os dois tipos só foram encomendados pela primeira vez em maio de 1916, após o ciclo de aperfeiçoamento normal. Eram tão sensíveis que eram empacotadas em algodão nos pentes e eram raramente usadas em metralhadoras sincronizadas, porque um tiro que atingisse a hélice bastaria para abater o avião. Eram mais largamente usadas pelos esquadrões da "Home Defense".

Os ingleses tentaram oficialmente abolir o uso das balas explosivas contra aviões (e até certa extensão as incendiárias), porque os ferimentos que elas causavam eram extremamente dolorosos. Todavia, os aviadores na frente (provavelmente dos dois lados) tornaram-se convictos de que o inimigo estava usando-as sem restrições e começaram então a difundir o uso de balas incendiárias com rajadas ocasionais de explosivas.

A carga de uma arma inglesa padrão consistia de: 3 comuns, 1 traçadora, 1 perfurante e 1 incendiária, essa seqüência sempre repetida. Durante o último ano da guerra, os ingleses usaram uma combinação secreta incendiária-explosiva, designada RTS e a enviaram à frente em setembro de 1918. Os alemães tinham as mesmas categorias gerais, mas fizeram uso anterior da carga múltipla. Sua incendiária mais efetiva combinava as qualidades de perfurante e explosiva. A França e os Estados Unidos usaram munição inglesa na maioria das vezes.


Munição .303 em fita de pano para a metralhadora Vickers.


Munição pesada usada na Grande Guerra: a partir da esquerda uma 7.92x57 de rifle para dar a escala, 2cm Becker (20x70RB), 25mm Revelli-Fiat (25x87), Vickers 1 Pr Mk 3 (37x69R; com espoleta sensível No.131), Maxim 1 Pr pom-pom (37x94R), Vickers 1½ Pr Mark B (37x123R), "Tube canon M1902" (37x201R) francês, 1½ Pr C.O.W. Gun (37x190), 1.59" Vickers-Crayford (40x79R) e 47 mm Hotchkiss (47x131R).


Outros projéteis usados: 11x59R (11mm Gras Vickers), 11.4x60R (.450 Gatling), 11.7x59R (577/450 Martini), 25x88R (1 polegada Gatling), 25x94R (1 polegada Nordenfelt), 25x87R (1 polegada Vickers), 25.4x87 (Revelli-FIAT), 37x94R (Hotchkiss e Maxim), 37x101SR (Sockelflak), 37x69R (Vickers 1 Pr Mk III) e 37x190 (COW gun).

Defesa noturna contra Zeppelins e bombardeiros

Os danos políticos e à moral da população eram infinitamente maiores que os estragos provocados pelos Zeppelins e Gothas em raides noturnos contra cidades na Inglaterra, França e Itália, e bem mais perigosos para as tripulações desses aparelhos que para os habitantes das grandes cidades. Mesmo assim foram tomadas providências para armar aviões que pudessem combater esses ataques.

Na Inglaterra a Home Defense colocou em prontidão diversos monoplaces armados com uma metralhadora para voar à noite em patrulha sobre as grandes cidades. Na maioria eram Avro 504K e RAF BE.2C convertidos. Na noite de 2 para 3 de setembro de 1916 um aviador inglês conseguiu abater o dirigível Schutee-Lanz SL.11, que caiu perto de Londres. Depois disso alguns bombardeiros Gotha e Giants foram abatidos em raides noturnos sobre a Inglaterra.


Biplace BE.2C armado com duas Lewis flexíveis para o observador na cabine dianteira e mais uma fixa para o piloto atrás. Todas tiveram a jaqueta retirada e substituída por guarnição de madeira de fuzil Lee Enfield.


Montagem vertical flexível para duas Lewis, instalada em um BE.12 monoplace para combate noturno anti-zeppelin. A metralhadora da direita tem uma mira iluminada.


F.E.2b inglês usado como monoplace para caça-noturna, equipado com duas versões diferentes de metralhadora Lewis.


F.E.2b de caça-noturna com duas Lewis presas a um holofote. A hélice sob o nariz é de um gerador elétrico para o farol.


Na noite de 3 de setembro de 1916 o Tenente inglês W. Lefee Robinson abateu o dirigível alemão L11 sobre a cidade de Londres, voando um BE.2c armado com uma Lewis em montagem fixa para cima.


Bristol Fighter armado com 4 Lewis para caça noturna.


FE.2B inglês com holofote e gerador franceses Cibié para caça noturna.

Na França, aproveitando o dínamo e o farol elétrico inventados por Léon Cibié, foram adaptados diversos aviões com esse equipamento e metralhadoras para atingir os dirigíveis que atacavam à noite. Posteriormente um aparelho Breguet foi equipado com um canhão também para a defesa noturna.


Farman F.40 biplace equipado com um farol regulável Cibié e uma metralhadora em montagem flexível.


Breguet 12Ca2 armado com farol de busca e um canhão de 37 mm para a defesa noturna de Paris.


Os zeppelins se defendiam. Na foto o posto dorsal dianteiro em um zeppelin em 1915, mostrando três metralhadoras Parabellum em montagem de tripé.

Texto:

Eventos | Fórum | Eu Quero! | Mercado de Pulgas | Galeria
Variedades | Como Construir | Dicas | Ferramentas
Lojas no Brasil | Administrativo | Livros | Links

Melhor visualizado em resolução 1366 x 768
Eventos Agendados
Setembro
S T Q Q S S D
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 141516
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
             

Outubro
S T Q Q S S D
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 121314
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31